quinta-feira, 22 de julho de 2010

Efeitos colaterais da vitória da selecçom espanhola

Nom podemos senom estar, por princípio, frontalmente em contra das selecções espanholas e de qualquer deportista polo qual se vinherem a sentir representados os "españoles" ou cujos triunfos sejam convertidos numha épica nacional espanhola. O sentimento de "orgulho espanhol" provocado pola vitória no mundial de futebol da África do Sul está avivando o supremacismo castelhano, o espanholismo mais ranço e a xenofobia contra as línguas e culturas nacionais basca, catalã e galega com um nível de descaro, desrespeito e impunidade que deixa bem patente o cerne racista da "espanholidade".

Eis três eloqüentes mostras das últimas semanas:
  1. Vídeo da festa de fim de curso de 2.º infantil, do colégio marista de San Lucar La Mayor de Sevilha, com beijos à bandeira espanhola e promoçom do militarismo e o sexismo entre as crianças ao melhor estilo franquista: http://www.dalealplay.com/informaciondecontenido.php?con=259121
  2. Notícia dumha vendedora de Telefónica que respondeu "Viva España!" ao pretendido cliente, por pedir ser atendido em galego: http://www.ciberirmandade.org/sitio2009/index.php?option=com_content&view=article&id=1365
  3. Notícia dum vendedor de Vodafone que respondeu "Su idioma es una mierda" a um cliente que pediu ser atendido em catalám: http://www.radiocatalunya.ca/noticia/vodafone-el-catala-es-una-merda
O primeiro caso é umha mostra do reforço do supremacismo do grupo dominador, que usufrue del por tê-lo imposto violentamente  e que o mantém através dum sistema legal injusto que lhe permite perpetrar com mais ou menos impunidade humilhações e discriminações como as que mostram os outros dous casos.

Com certeza, o actual enaltecimento do supremacismo castelhano polos meios de comunicaçom e pola massa social espanholista terá levado muitos deles, e nom só os dous vendedores telefónicos das notícias citadas, a dar um passo avante no exercício dos seus privilégios e a conseqüente negaçom dos direitos dos subordinados.

Sem comentários: